Os caminhos levam a Cuba

0
104

Por Roberto F. Campos

Havana (Prensa Latina) A anunciada recuperação do turismo em Cuba constitui uma esperança de reativação do que antes era conhecido como a locomotiva da economia da ilha.

Esta proposta está direcionando os olhos dos mercados de viagens para este arquipélago, quando as autoridades reiteraram a reabertura recreativa e de desescalada para 15 de novembro.

O Ministro do Turismo cubano, Juan Carlos García, recentemente acrescentou outro grão de areia a esta atenção, falando na televisão nacional com detalhes sobre a reabertura.

As informações fornecidas pelo ministro buscam gerar confiança nas novas operações e nas instalações abertas para a data acima mencionada.

Garcia enfatizou que a indústria de viagens na ilha estará aberta com mais qualidade, além de exibir pedidos de conexões das principais transportadoras do mundo.

Ele observou que já estão sendo recebidos pedidos de voos de vários pontos, especialmente de companhias aéreas do Canadá, Estados Unidos, Reino Unido e outros países europeus, bem como do México, Panamá e República Dominicana, com conexões reforçadas da Rússia.

A Cubana de Aviación retomou os voos regulares para a Argentina e Espanha, e a conectividade é mantida com companhias aéreas regulares como Iberia, AirFrance e AirEuropa.

Voos de outras regiões como Ásia-Pacífico também foram restabelecidos, como no caso da Turkisairline.

Um ponto importante em seu discurso foi a renovação da oferta e a expansão do acesso à Internet através de redes wifi, que já estão aparecendo em aeroportos, hotéis e outros lugares.

As acomodações cinco estrelas têm este serviço tecnológico e ele está aumentando no resto, com alcance nos quartos e até mesmo na praia.

A autoridade mencionou facilidades de pagamento através de 173 casas de câmbio distribuídas em terminais aéreos e marítimos e hotéis, entre outros locais, com a possibilidade de obter cartões em moeda livremente conversível (MLC). Os turistas que retornam aos seus países de origem também podem recuperar os valores originais depositados nestes cartões, que duram dois anos e, portanto, são válidos para outras viagens à ilha.

Estas medidas excluem a entrada direta do dólar americano devido às medidas coercitivas de Washington (bloqueio econômico, comercial e financeiro) contra Cuba; todas as outras moedas são permitidas.

Os cartões MLC são emitidos em denominações de 20, 200, 500 e 1000.

Garcia disse que o mercado interno também está incluído no gozo de férias a partir de 15 de novembro em estâncias como Varadero e as chaves Santa Maria, Coco e Guillermo.

Durante o ano corrente, 200.000 viajantes entraram no país, e o setor espera outros 100.000 antes do final de 2021.

(*) Jornalista da seção de Economia da Prensa Latina.

mem/jpm/rfc/vmc

(Extraído de Cuba Internacional No. 478).

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here