Sancti Spíritu tem 506 aniversários comemorados

0
286

Texto e FotosPL:  Raúl García Alvarez>

Sancti Spíritus, Cuba, 4 de junho (Prensa Latina) O Sancti Spíritus, localizado no centro de Cuba, completou 506 anos nesta quinta-feira (04/06) fundado pelo conquistador espanhol Diego Velázquez de Cuéllar com suas tradições e edifícios históricos dos séculos XVII, XVIII e XVIII. XIX.

Seu autêntico centro reverência o poderoso rio Yayabo e foi inspiração para sua riqueza natural, para que os conquistadores localizassem em 1522 o assentamento oficial da primeira população no centro da ilha, que deram o nome de Espírito Santo.

A primeira aldeia foi localizada perto do rio Tuinucú na Páscoa pentecostal (4 de junho de 1514). Com o tempo, esse lugar se tornou uma grande fazenda chamada Pueblo Viejo.

Sua transferência é envolvida em várias lendas, onde prevalece o aparecimento de formigas gigantes, enquanto para a historiadora da cidade, María Antonieta Jiménez, foi pelas riquezas abundantes que o vale sulcado pelos Yayabo proporcionou.

A área do patrimônio abriga o Prefeito Parroquial del Espírito Santo (1680), o Teatro Principal (1839) e a ponte sobre o Yayabo (1831), a única com cinco arcadas em Cuba.

Enquanto isso, o centro histórico recupera sua elegância com um enxoval de mais de dois mil edifícios de séculos diferentes, onde se destaca a casa das Cem Portas ou o Palácio de Valle.

Passando por suas ruas de paralelepípedos, ela se revela muito mais na história, lendas e tradições do Espírito. O violão, bateria, chocalhos e güiros são instrumentos peculiares da música trovadora ou de uma serenata a um amante.

Nesta terra, a música camponesa, o ponto yayabero ou espirituano, as gaitas tonadas, a guaracha e o filho ganharam vida.

O livro de canções nacional conta com obras de destacados autores locais: Rafael Gómez Mayea (Teofilito), Miguel Companioni, Manolo Gallo, Sigifredo Mora, Arturo Alonso, Catalina Berroa, Rafael Saroza e Rafael Rodríguez.

As tradições fazem parte do cotidiano da população, acomodadas e preservadas aos perfis de cada época pelas diferentes gerações, mantendo as características essenciais.

Um exemplo disso são os cabildos que surgiram na era colonial, os coros de cravo com mais de um século ritmizando o trabalho rural, as belezas e o amor pela vida e a Feira de Gado que imprimiu no início do século XX o desenvolvimento do gado na região.

Outra das tradições antigas e única do gênero no país, é o Santiago Espirituano, que tem sua origem em 1655, dedicado a Santiago Apóstol, com seu festival em 25 de julho de cada ano.

Trios, coros de cravo, parrandas típicos, septos e outros grupos de música tradicional e popular animam esses festivais da cidade, onde há apresentações teatrais, de dança e de artes plásticas.

O dia 25 de julho é oferecido pela guayabera, uma roupa nacional, nativa desta cidade e declarada oficial para atos e cerimônias diplomáticas do Estado e do Governo de Cuba e é o Dia do Espírito Ausente.

Nas margens do Yayabo, em um palácio do século XIX, há um centro cultural único em Cuba e no mundo: o Museu Casa La Guayabera.

Aqui está a maior coleção desta peça (mais de 300) doada por personalidades da cultura, esportes, política e sociedade, como o líder histórico da Revolução Cubana Fidel Castro (1926-2016), general do exército Raúl Castro, presidente bolivariano Hugo Chávez (1954-2013) e escritor colombiano Gabriel García Márquez. (1927-2014).

Nesta data, os espíritos comemoravam cantarolando o desfile ‘Yayabo está na rua …’, de Gerardo Echemendía (Serapio). Este ano, quando toda a cidade enfrentar o Covid-19, um sino tocando e um aplauso yayabero serão dados aos trabalhadores e àqueles que, em suas casas, estão promovendo ações para superar a doença.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here