A beleza e os encantos do deserto de Danakil na Etiópia

0
574
Por Rafael Arzuaga –  Adis Abeba (Prensa Latina) Com colinas, vales, encostas, aquíferos e uma longa etcétera, a Etiópia tem uma das geografias mais variadas e é distintamente única mesmo na África, com numerosas culturas ancestrais e riquezas naturais excepcionais.

Sua paisagem, diferente a cada passo, é marcada pelo Monte Ras Dejen e pela depressão de Afar. A elevação, também conhecida como Ras Dashan, com 4.533 metros e sempre nevada apesar da proximidade com o Equador, torna-se o ponto mais alto do país e o décimo do continente. A segunda, também chamada de Triângulo de Afar e originária do Grande Vale do Rift, onde as placas tectônicas africana e árabe estão em processo de separação e localizada a 125 metros abaixo do nível do mar, é a mais profunda do país.

Dentro dessa diversidade está o deserto de Danakil, um dos lugares mais remotos e inóspitos do mundo; bonito e impressionante também, estende-se de grande parte do Djibuti e do sul da Eritreia “uma vez jurisdição etíope” até perto do Mar Vermelho.

Apresentado assim, sem maiores detalhes, pode-se pensar que estamos apenas começando a falar sobre. Mas já antes do final do século XX, viveu o seu momento mais famoso, já que os paleontólogos o incluíram na área do que era então considerado o berço da humanidade. Em Hadar, relativamente próximo do deserto, foi encontrado em 1974 o fóssil de Lucy, um australopiteco com cerca de 3,2 milhões de anos e o mais famoso de muitos outros achados da região que simultaneamente respondem e levantam questões sobre a evolução do ser humano.

Danakil, considerado o lugar habitado mais quente do planeta, possui várias formações de sal e enxofre, e vários vulcões ativos. Com quase nenhuma chuva e tempestades de areia diárias, suas temperaturas médias ultrapassam os 34 graus Celsius e podem chegar a 60 no verão.

Um dos lugares atrativos, não o único, é o vulcão Erta Ale, o mais ativo do país, com um ou dois lagos de lava no topo, e em erupção desde pelo menos 1967, segundo especialistas, embora algumas investigações assegurem que suas explosões começaram em 1906.

O vulcão Dallol, repleto de fontes ígneas que pulsam das entranhas da terra, exibe coloridas gamas de cores, cuja imagem costuma ser comparada com as do planeta Marte e é objeto de pesquisas para determinar os limites das diversas formas que a vida assume.

Aparentemente, é impossível habitar esses lugares. No entanto, onde encontraram pegadas supostamente pertencentes a indivíduos da espécie Homo erectus, há flora e fauna variadas, e vivem dezenas de milhares de pessoas da tribo Afar, a maioria dedicada ao comércio de sal e pastoreio.

Conhecidos pela hostilidade para com os visitantes, matando para serem considerados homens, colecionando os testículos de seus inimigos como troféu e pelo medo de espíritos malignos que, segundo eles, vagam pelo Erta Ale a cavalo, os membros daquela comunidade permanecem naquela selva cenário que fascina e intriga.

(Retirado de Orbe)

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here