O turismo internacional continua como uma indústria de paz

0
295

Havana (Prensa Latina) Apesar dos conflitos bélicos que assolam o planeta, o turismo continua hoje como uma indústria de paz que favorece o intercâmbio, o conhecimento cultural e a tolerância, tudo isso como uma barreira à guerra.

Por Roberto F. Campos/Da redação de Economia da Prensa Latina

Segundo critérios de especialistas, tudo parece indicar que o final de 2023 traz uma recuperação a nível global.

O turismo internacional está no bom caminho para recuperar quase 90% dos níveis anteriores à pandemia da Covid-19.

De acordo com os dados mais recentes da Organização Mundial do Turismo (OMT), estima-se que 975 milhões de turistas internacionais viajaram de Janeiro a Setembro de 2023, o que representa um aumento de 38 por cento em relação ao mesmo período de 2022.

El reciente barómetro del Turismo Mundial de la OMT también muestra que los destinos del mundo recibieron 22 por ciento más de turistas internacionales en el tercer trimestre de 2023 en comparación con el mismo lapso del año pasado, lo que refleja una mejor temporada de verano en el Hemisfério Norte.

As chegadas de turistas atingiram 91% dos níveis pré-pandemia no terceiro trimestre, com um pico de 92% em Julho, o melhor mês até agora desde o início da pandemia.

No geral, o turismo recuperou para 87 por cento dos níveis pré-pandemia entre Janeiro e Setembro de 2023. Isto coloca o sector no bom caminho para recuperar quase 90 por cento até ao final do ano.

Os dados mais recentes da OMT mostram que o turismo internacional está a recuperar quase totalmente da crise sem precedentes da Covid-19, com muitos destinos a atingir ou mesmo a ultrapassar as chegadas e receitas pré-COVID.

O secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili, afirmou que Os dados mais recentes da OMT mostram que o turismo internacional se recuperou quase completamente da crise.

Acrescentou que muitos destinos alcançaram ou mesmo ultrapassaram as chegadas e receitas pré-pandemia, o que é fundamental para destinos, empresas e comunidades para as quais o sector é uma importante tábua de salvação.

Quanto ao Médio Oriente, continua a liderar a recuperação por região em termos relativos, com chegadas 20% acima dos níveis pré-pandemia.

A região, e apesar do conflito que a aflige (Hamas-Israel), continua a ser a única no mundo que ultrapassou os níveis de 2019 no período.

As medidas de facilitação de vistos, o desenvolvimento de novos destinos, os investimentos em projetos relacionados com o turismo e a realização de grandes eventos contribuem para sustentar este notável desempenho.

A Europa, a maior região de destino do mundo, recebeu 550 milhões de turistas durante o período, 56% do total mundial.

Esse número representa 94% dos níveis pré-pandêmicos. A recuperação foi ajudada pela sólida procura intra-regional, bem como pela forte procura por parte dos Estados Unidos.

África recuperou 92 por cento dos visitantes pré-pandemia, enquanto as chegadas às Américas atingiram 88 por cento dos números de 2019 neste período, uma vez que a região beneficiou da forte procura dos EUA, especialmente para destinos nas Caraíbas.

A Ásia e o Pacífico atingiram 62% dos níveis pré-pandemia, após uma reabertura mais lenta das viagens internacionais.

No entanto, os resultados nas sub-regiões são mistos, com o Sul da Ásia a recuperar para 95 por cento dos níveis pré-pandemia, mas o Nordeste da Ásia apenas cerca de 50 por cento.

O Barómetro Mundial do Turismo inclui dados mais específicos sobre regiões, bem como sub-regiões e destinos individuais.

Vários grandes mercados emissores registaram uma forte procura de turismo emissor durante este período, com muitos excedendo os níveis de 2019. A Alemanha e os Estados Unidos gastaram 13 e 11 por cento mais, respectivamente, em turismo emissor do que nos mesmos nove meses de 2019, enquanto a Itália gastou 16% a mais até agosto.

A recuperação sustentada também se reflete no desempenho dos indicadores da indústria.

Com base em dados da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) e do STR, o Rastreador de Recuperação do Turismo da OMT detalha uma forte recuperação no número de passageiros aéreos e nos níveis de ocupação.

Neste contexto, o turismo internacional está no bom caminho para recuperar totalmente os níveis pré-pandemia em 2024, apesar dos desafios económicos, como a inflação elevada e a fraqueza na produção global, bem como tensões e conflitos geopolíticos significativos.

Dessa forma, a indústria de viagens se reclassifica como uma das mais resilientes do planeta e capaz de enfrentar os tambores da guerra com suas peculiaridades de intercâmbio entre pessoas de diferentes regiões, crenças, culturas e desenvolvimentos.