Ilha Grande/RJ serviu de inspiração para a mostra fotográfica Rocks of Imagination do fotógrafo André Cypriano

0
240

A Galeria Paralelo (www.paralelogaleria.com.br), em Pinheiros, recebe a partir de 12 de agosto a exposição Rocks of Imagination do fotógrafo paulistano André Cypriano. Composta por 11 fotografias, a mostra é resultado de mais de 15 anos de expedições e buscas pelas ‘pedras com formato’, como o artista as batizou.

Fotodocumentarista premiado por trabalhos na favela da Rocinha e no presídio de Cândido Mendes, ambos no Rio de Janeiro, Cypriano aventura-se em um novo ensaio e resgata o encantamento que teve com as costas rochosas de Ilha Grande, também no Rio. O preto e branco, característica de suas fotografias documentais, saem de cena e dão lugar às cores da natureza e ao exercício imaginativo.

Com curadoria de Éder Chiodetto, Rocks of Imagination começou a ganhar vida em 1999, quando o fotógrafo resolveu registrar a beleza natural de Ilha Grande antes da virada do século. O que lhe saltou aos olhos em suas expedições, porém, foi a magnitude das costas rochosas, como a Pedra do Drago, rocha em forma de dragão que “avançava sobre o horizonte como se estivesse enfrentando o poder do mar e seus invasores”, diz.

A partir da Pedra do Drago e da Pedra do Feto, também avistada por Cypriano, o fotógrafo passou a ‘praticar’ o exercício imaginativo quanto às formas das pedras de Ilha Grande, em um processo que durou, ao todo, mais de uma década e meia e resultou no portfólio com 40 fotografias que será mostrado, parcialmente, em exposição na Galeria Paralelo.

Das observações, que só podem ser realizadas dentro de um estado de completo relaxamento mental e visual, ensina o artista, unidas a uma conjunção de fatores, surgiram pedras com características claramente detectáveis como, por exemplo, um feto, um elefante, o Mickey Mouse, um pênis, etc.

Na exposição Rocks of Imagination, André Cypriano mostra diversas fotografias e formas de pedras que parecem contar um pouco a história do mundo ao começar pela Pedra do Dinossauro e outros animais, tartaruga, jacaré e elefante. Posteriormente, as formas eróticas e do corpo humano que têm como ‘resultado’ na cronologia a Pedra do Feto, a Pedra do Rosto e Pedra da Imaginação cujo o formato sugere um pênis. A história é encerrada pelo desconhecido, representada pela Pedra do E.T., o extraterrestre.

Mais do que a forma, explica André Cypriano, as pedras possuem grande beleza e mistério. “A mais conhecida, a Pedra do Pico do Papagaio, está localizada nas montanhas a 3,2 mil metros acima do nível do mar”, revela. “Depois de uma árdua caminhada, ao chegar ao topo ela ‘muda de formato’ e deixa de ser o papagaio para lembrar a silhueta do Mickey Mouse”, diz.

Esse jogo de interpretação e imaginação quanto aos formatos das pedras é o que mais cativa o fotógrafo nas expedições e buscas. “Infinitas são as possibilidades de visualizar formas nas pedras, elas mudam dependendo do ângulo, da direção da luz e, principalmente, de quem as olha”, afirma. A exposição fica em cartaz na Galeria Paralelo até dia 18 de setembro.

 

Sobre André Cypriano

André Cypriano nasceu em 1964, em São Paulo, onde se formou em Administração de Empresas. Voltado para os problemas ambientais, dedicou tempo e esforço como administrador do projeto “Salva Mar/Whale”, organização que ajudou a combater a matança de baleias no Norte do Brasil. Em 1990, um ano após mudança para os EUA, começou a estudar fotografia em San Francisco. Desde então, tem completado vários projetos expostos em mais de 200 galerias e museus na América do Sul, América do Norte, Ásia e Europa.

Foi premiado com o primeiro lugar no San Francisco City College –Photography Department of Scholarship; World Image Award do Photo District News em Nova York; no Portrait Excellence Award da Lifetouch na Califórnia; New Works Awards da En Foco em Nova York; Mother Jones International Fund for Documentary Photography; Bolsa Vitae de Artes;Caracas Think Tank na Venezuela; e no All Roads Photography Program da NGS. Seu trabalho faz parte de diversas coleções no MAM-SP, Pinacoteca,MASP Coleção Pirelli, Coleção FNAC de Fotografia, Museo Del Barrio.

Parte de um projeto de longo prazo, Cypriano começou a documentar estilos de vida tradicionais e práticas de sociedades em lugares menos conhecidos nos remotos cantos do mundo, com uma tendência para o raro e extraordinário. Ele fotografou o povo de Nias, na costa oeste da Sumatra (Nias – Pulando Pedras); práticas de rituais em Bali (Questão Espiritual);infame penitenciária de Cândido Mendes, Ilha Grande/RJ (O Caldeirão do Diabo, livro publicado pela Cosac Naify); a maior favela do Brasil (Rocinha, livro publicado pela SENAC); as principais favelas do Rio (Cultura Informal); acultura informal de Caracas (Favelas de Caracas, livro publicado por Caracas Think Tank); comunidades quilombolas espalhadas pelo País (Quilombolas, livro publicado pela AORI Produções Culturais); o universo da capoeira (Capoeira, livro publicado pela AORI Produções Culturais). Seus documentários fotográficos têm sido usados em seminários educativos.

Atualmente, André Cypriano mora em Nova York e Rio e continua envolvido em projetos sociais e culturais.

 

Serviço

Exposição Rocks of Imagination

Local: Galeria Paralelo

Abertura: 12 de agosto

Visitação: até 18 de setembro

Horário: Segunda a sexta, das 10h30 às 19h; sábados, 11h às 17h

Endereço: Rua Artur Azevedo, 986

Informações: www.paralelogaleria.com.br ou (11) 2495-6876

Grátis

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here